segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

O PROBLEMA DO CONHECIMENTO SUPERFICIAL

Boas intenções não bastam!
Deixe-me começar contando uma anedota interessante: Um jovem residente nos Estados Unidos alistou-se e entrou para o exército americano durante a Segunda Guerra. Sendo imigrante, tinha dificuldades com a língua inglesa. Na verdade, tinha um conhecimento superficial do idioma. Um dia, quando as tropas se preparavam para ser inspecionadas, seus colegas chegaram à conclusão de que, se não o ajudassem, ele não seria aprovado, em função do seu sofrível inglês.
Com muito tato, um deles lhe falou: Companheiro, dentro de poucos dias o general estará aqui para a inspeção. Percebemos que você tem dificuldades com a língua inglesa, por isso gostaríamos de ajudá-lo, senão você será reprovado. É importante que você saiba as perguntas que o general fará, para responder corretamente. A primeira pergunta será: Há quanto tempo você está no exército? Você responderá: Dois anos, senhor! A segunda pergunta certamente será: Quanto anos você tem? E você dirá: Vinte e dois! Quase sempre a terceira pergunta é: Você tem recebido boa comida e bom tratamento? Você responderá rapidamente: As duas coisas!
O soldado passou dias e dias repetindo as respostas. Dois anos, vinte e dois, as duas coisas... Dois anos, vinte e dois, as duas coisas... Finalmente chegou o general e, de fato, fez três perguntas. O problema é que ele não as fez na ordem que o soldado estava esperando. O general começou: Quantos anos você tem? O soldado era um monumento de convicção: Dois anos, senhor! O general olhou desconfiado, mas prosseguiu: Há quanto tempo você está no exército? O moço não vacilou: Vinte e dois! Irritado, o general o encarou: Quem você pensa que eu sou? Um idiota ou um bobalhão? E o jovem: As duas coisas, senhor!
Apesar de cômica, esta estória traz consigo uma verdade: muitas vezes, apesar de nossas boas intenções e do desejo de fazer as coisas certas, não atingimos nossos objetivos devido a um único problema: nosso conhecimento superficial e insuficiente a respeito de algum assunto ou situação. O escritor Richard Foster chamou a superficialidade de “maldição dos nossos dias”. Quantos são os que não concluem bons negócios por lhes faltar conhecimento adequado sobre as oscilações do mercado financeiro? Quantos são os que perdem a oportunidade de arranjar bons empregos por lhes faltar a devida qualificação, ou seja, conhecimento profundo sobre uma determinada técnica? Quantos perdem para a concorrência apenas por oferecer serviços ou produtos ultrapassados?

A procura pelo aperfeiçoamento.
Hoje em dia, mais do que nunca, tanto empresários quanto funcionários estão preocupados em preparar-se adequadamente para o exercício de algum ramo ou profissão. Pessoas que atuam nas mais variadas áreas buscam ascendência e sabem que, para isso, devem estar bem preparadas. Conhecimento profundo e específico pode ser o caminho para o sucesso e a prosperidade tanto na formação acadêmica quanto no desempenho profissional. Assim, cada vez mais aumenta a procura por cursos, palestras, seminários e estágios visando aperfeiçoamento, o que faz aguda diferença na disputa por uma vaga ou na concorrência por um cargo, por exemplo.
Pena que nem sempre pessoas preocupam-se em obter maior conhecimento sobre Deus do que sobre estratégias de marketing ou gestão de recursos humanos. Na sociedade secularizada e materialista em que vivemos, o aspecto espiritual da vida é, geralmente, desprezado ou mal explorado. Poderia o conhecimento das coisas espirituais contribuir para nossa atividade profissional? Será que a aplicação de princípios da Palavra de Deus em nossos estudos e trabalhos nos garantiria melhores resultados? Ou ainda: Será que o conhecimento mais profundo acerca de Deus e o conseqüente aperfeiçoamento de nossa espiritualidade nos levariam a uma vida melhor?
Arrisco-me a formular estas perguntas porque está bem claro para mim que o sucesso na vida profissional não é suficiente para satisfazer a necessidade humana de realização. Parece que o conhecido adágio está correto: “Nenhum sucesso na vida compensa o fracasso no lar”. Então eu lhe pergunto: vale a pena esforçar-se tanto para atingir metas, arquitetar estratégias e concretizar projetos no trabalho ou na escola, enquanto sua vida espiritual descamba numa espiral vertiginosamente descendente?
Ouso ainda afirmar que, ao contrário do que se pensa mundo afora, não basta apenas priorizar a família. Se nosso conhecimento de Deus for aperfeiçoado, nosso caráter e personalidade serão transformados e nossos relacionamentos serão melhorados, em todas as esferas: profissional, acadêmica e familiar! Pessoas correm para as igrejas hoje em dia procurando melhorar sua qualidade de vida, mas isso não significa que conhecerão a Deus. Que pena! Deveriam conhecer a Deus antes de tudo, e então se flagrariam, agradavelmente satisfeitas, percebendo, de repente, que a vida melhorou!

Para que conhecer Deus profundamente?
Quanto ao conhecimento espiritual, o teólogo J. I. Packer comenta: “Conhecer a Deus é crucialmente importante para nossa vida. Do mesmo modo como seria cruel levar um indígena da Amazônia de avião até São Paulo e deixá-lo, sem qualquer explicação, sem que entendesse nada da língua portuguesa ou da vida civilizada, em plena Praça da Sé, para que ele cuidasse da própria subsistência; assim também seríamos cruéis conosco mesmos se tentássemos viver neste mundo sem saber nada a respeito do Deus que é dono e Senhor do Universo”. Packer insiste, afirmando que o mundo se torna um lugar estranho, louco, penoso e decepcionante para aqueles que não conhecem a Deus.
Clemente de Alexandria, que viveu no terceiro século d.C., distinguiu-se dos sábios de sua época ao perguntar: “Busco conhecer a Deus, e não só as obras de Deus. Quem me ajudará em minha busca?”. Já o professor Charles Swindoll declara: “Conhecer a Deus de forma profunda e com intimidade requer esta disciplina: Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus”. Você deseja aceitar este desafio de conhecer a Deus com mais profundidade e experimentar transformações maravilhosas em todas as áreas de sua vida?
Principalmente você, que tem se sentido solitário, vazio, superficial e escravizado por este sistema desumano em que vivemos, faça o seguinte: Busque a Deus! A Bíblia diz: “Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade” (Salmo 145:18). E mais: “Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto” (Isaías 55:6). Por meio do profeta Deus fala: “Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado” (Jeremias 9:23s). E o apóstolo Paulo declara: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Romanos 10:13).
Simplesmente, em seu coração, peça a Deus que entre em sua vida e transforme, daquela maneira que só ele pode, a sua existência. Será agradável perceber que a profundidade do conhecimento de Deus vai tornar você insatisfeito com as coisas superficiais. E, certamente, toda sua vida irá mudar! Leia a Bíblia, visite uma igreja evangélica, converse com um pastor e... que Deus te abençoe!

4 comentários:

danisorianifer disse...

Oslei, Excelente seu comentário, muitos vivem nesta superficialidade, não querendo ter um compromisso sério com Deus.deixando de desfrutar o que Deus pode fazer de melhor para sua vida.
Abs.
Miguel Lucas

wagner disse...

Grannnde Rev. Oslei...nao e de se admirar tamanha sabedoria vinda dos ceus...parabens mais uma vez pastor...mais um texto edificante...
Conhecer Deus...e a coisa mais subline q cada cidadao pode expriementar..falo de experiencia propria...
"Poderia o conhecimento das coisas espirituais contribuir para nossa atividade profissional? Será que a aplicação de princípios da Palavra de Deus em nossos estudos e trabalhos nos garantiria melhores resultados? Ou ainda: Será que o conhecimento mais profundo acerca de Deus e o conseqüente aperfeiçoamento de nossa espiritualidade nos levariam a uma vida melhor?"

Nestas perguntas q vc fez...dispenso comentarios..
Deus o abencoe ricamente pastor...
Um grande abraco fraternal..

Wagner NY

marilene disse...

Rev.Oslei,

Excelente desfecho!

Sua ovelha,

Marilene

nelsonmelo.br disse...

Gostei muito de ler esse artigo. muito bom. que Deus continui a inspirar sua mente. em Cristo Jesus.Nelson