sexta-feira, 21 de novembro de 2008

ABÓBORAS E CARVALHOS

A abóbora, jerimum ou moranga, fruto da aboboreira, é uma designação popular atribuída a diversas espécies de plantas da família Cucurbitaceae (ordem Cucurbitales), nomeadamente às classificadas nos géneros: Abobra - uma única espécie, nativa da América do Sul, e Cucurbita - género que inclui os tipos de abóbora mais comuns e a abobrinha (courgette). Já o carvalho é uma grande árvore que produz a bolota e cuja madeira é muito empregada em construções. Um carvalho chega a medir 25 metros de altura, e para se obter os melhores espécimes se faz necessário cultivá-lo por mais de cinqüenta anos.
Os agricultores sabem que as abóboras crescem em semanas, enquanto os carvalhos demoram cerca de um século. E nós, ocidentais do terceiro milênio, somos impacientes por natureza. Temos grande dificuldade em imitar o exemplo do compositor bíblico quando, em tempos de tribulação e angústia, dizia para si mesmo: “Espera em Deus...” (Salmo 42:5).
No referido salmo o autor sacro registra em forma de poesia sua dramática experiência de vida; por alguma razão, foi exilado num ambiente hostil e agora suplica a intervenção divina. Entretanto, apesar de todo o sofrimento, sua fé não foi abalada, pois esperava confiantemente no Senhor: “... ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu”. Sabia que naquele momento, Deus trabalhava em sua vida alimentando seu espírito, fortalecendo sua fé e aperfeiçoando o seu caráter. Por isso, esperava. Nem sempre somos assim, pois não temos muita paciência - a capacidade de sofrer ou suportar com calma e sem reclamar.
Um dos apóstolos de Cristo escreveria, em sua carta no Novo Testamento: “Eis que o lavrador aguarda com paciência o precioso fruto da terra, até receber as primeiras e as últimas chuvas. Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima” (Tiago 5:7-8). E muito tempo depois, o escritor, filósofo e poeta norte-americano Ralph Waldo Emerson (1803-1882) aconselharia: “Adote o ritmo da natureza, o segredo dela é a paciência”. E é verdade, pois não temos como apressar as estações!
Se em nossas vidas enfrentamos adversidades que parecem demorar muito para terminar, lembremo-nos das hortaliças e das árvores. Abóboras crescem rápido, mas duram muito pouco. Os carvalhos esperam décadas para chegar ao auge, porém, permanecem firmes por centenas de anos. O sol seca rapidamente uma abóbora, mas é preciso uma tempestade para derrubar um carvalho. Pense nisto e aprenda a esperar em Deus, pois Ele quer fazer de você um carvalho, não uma abóbora; Ele quer fazer de nós uma floresta de carvalhos, não um caramanchão de pés de abóbora!