sexta-feira, 24 de julho de 2009

DEUS TEM UM PROPÓSITO EM TUDO!

Será que o mal vence sempre? O Salmo 75 diz que não. O Salmo começa com uma declaração de louvor. O louvor é o oposto da murmuração. Louvar é declarar que Deus é Senhor de tudo, inclusive de nossa espera. É reconhecer que Ele sabe o que faz, porque faz e quando faz. Após louvar, o salmista afirma que Deus é o Senhor do tempo: “Hei de aproveitar o tempo determinado; hei de julgar retamente”. O tempo é Dele. Ele sabe usá-lo para o bem de Seus filhos, “embora pareça demorado em defendê-los” (Lucas 18:7). Deus usa o tempo para fazer Sua justiça prevalecer. Ele sabe o que precisamos e tem o tempo certo de nos dar isso.
A seguir, Ele mostra que, ao contrário do que pensamos, Ele não nos abandonou: “Vacilem a terra e todos os seus moradores, ainda assim eu firmarei as suas colunas. Digo aos soberbos: não sejais arrogantes; e aos ímpios: não levanteis a vossa força. Não levanteis altivamente a vossa força, nem faleis com insolência contra a Rocha.” Enquanto os arrogantes se levantam contra nós a acham que são vencedores, que sua maldade vai vencer e que vão conseguir nos destruir e nos jogar no chão, Deus mostra que Ele firma nossas colunas, ou seja, Ele nos sustenta para não vacilarmos. Da mesma forma como a casa construída sobre a rocha suporta as tempestades, Deus não permite que os que Nele confiam sejam abalados. “Caiam mil ao teu lado, e dez mil, à tua direita; tu não serás atingido. Somente com os teus olhos contemplarás e verás o castigo dos ímpios.” (Salmo 91:7). Sim, Deus vai nos deixar ver os que nos perseguiram e fizeram mal caindo em Suas mãos, enquanto Ele muda a nossa sorte.
A próxima lição que Ele nos mostrar é que Ele é quem livra os que estão sendo perseguidos. “Porque não é do Oriente, não é do Ocidente, nem do deserto que vem o auxílio. Deus é o juiz; a um abate, a outro exalta”. Quem você acha que Ele vai exaltar: os que fazem o mal ou os que confiam Nele e esperam pela Sua ajuda? Para Seus filhos Deus dá o livramento. Não é o homem quem o livra, nem sua sabedoria. Não. Deus é quem exalta os que Nele confiam, apesar da aparente demora em ver as coisas mudando. “Pois disseste: O SENHOR é o meu refúgio. Fizeste do Altíssimo a tua morada. Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda. Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra”.
E quanto aos que fazem o mal? O Salmo mostra o que está reservado para eles. “Porque na mão do Senhor há um cálice cujo vinho espuma, cheio de mistura; dele dá a beber; sorvem-no, até às escórias, todos os ímpios da terra.” Enquanto para Seus filhos Deus dá o Cálice da Salvação, para os maus Ele tem um cálice de amargor, de morte. Ele não deixa impunes os maus. Como justo Juiz que é Ele sabe como julgar os que não se achegam a Ele.
Diante disso, o que fazer? Desistir da luta? Abandonar tudo, inclusive Deus? Não. O chamado de Deus é para o louvor: “Quanto a mim, exultarei para sempre; salmodiarei louvores ao Deus de Jacó. Abaterei as forças dos ímpios; mas a força dos justos será exaltada”. Louvar reconhecendo que Deus é Senhor. Louvar reconhecendo que Deus nos dará vitória contra todo mal. Louvar reconhecendo que nossa força será renovada e seremos mais o do que vencedores. Este é o caminho. Não é um caminho fácil, mas é o caminho da vitória.Desejo de coração que a meditação deste texto ajude você a entender que Deus está no controle de tudo e que Ele tem a última palavra sobre tudo, e a palavra Dele para você hoje é: “Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí” (Jeremias 31:3). Que Deus a abençoe!
Rev. Paulo Cesar Ramalho
Igreja Cristã Renovada
Bariri - SP

sexta-feira, 17 de julho de 2009

PRECURSORES DA LUZ

Não há nada melhor do que uma boa notícia, um anúncio que provoca alívio na alma e um sorriso nos lábios. Em minha opinião, esta é uma das maiores necessidades dos nossos dias: boas notícias. Há tempos noto que assistir telejornais, ler jornais, apenas acumulam desgraça sobre desgraça. O mundo ficou mais complexo, as relações humanas mais complicadas. Muitos esperam uma oferta de emprego, outros o resultado negativo de exames, outros ver seu nome na lista de aprovados. Há aqueles que esperam a notícia de que o filho retornou a casa, ou que o vizinho mudou pra outro país distante… o certo é que sempre estamos a espera de boas notícias.
No capítulo dez do Evangelho de Lucas, nos versículos de 1 a 12, encontramos um grupo de setenta afortunados que tiveram o privilégio de visitar famílias de uma certa região, com a missão de levar-lhes boas novas, notícias fresquinhas e alentadoras que afetariam suas vidas para sempre. A tarefa destes homens, em duplas, era anunciar a Jesus, proclamar a paz, e prepará-los para uma visita pessoal do Salvador: “… e os enviou de dois em dois, para que o precedessem em cada cidade e lugar aonde ele estava para ir” (Lc 10:1). Que missão maravilhosa! Preceder o Senhor, o Messias Salvador! Nesta comissão, Jesus deu a eles as diretrizes e poderes que os capacitaria a ser bem sucedidos.
Em primeiro lugar, eles foram orientados a visitarem as casas, as famílias por onde passassem: “Ao entrardes numa casa…”(5), “Permanecei na mesma casa…”(7). O alvo eram as famílias, as casas que eram povoadas por gente comum como eu e você, gente com sonhos, esperanças, frustrações, desalentos, dores, necessidades. Jesus queria visitar estas casas, transformar estas famílias, curando os lugares e cidades.
Em segundo lugar, eles deveriam experimentar de tudo que as famílias tinham: “Permanecei na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem”(7). Os mensageiros deveriam interagir com a casa e família, conhecendo e entendendo a realidade local, evitando assim um discurso vazio de empatia. Já era um anúncio de um Cristo pessoal, livre das “garras” da religiosidade perversa e vazia de significado. Um Deus que desejava ser um amigo íntimo e relevante.
Em terceiro lugar, eles estavam indo como mensageiros da paz. Excelente notícia!! “Ao entrardes numa casa, dizei antes de tudo: Paz seja nesta casa!”(5). Os mensageiros estavam anunciando o caráter daquele por vir, a motivação por traz do movimento. Paz! Esta era sim uma boa notícia. Não era uma visita de uma autoridade religiosa opressora, que condena, que explora, que promove a culpa, que abusa da esperança e fé dos sofridos e angustiados. Excelente notícia!
Em quarto lugar, os mensageiros traziam com a mensagem algo fantástico: milagres! Quem não precisa de milagres? A cura daquele câncer, aquele emprego disputadíssimo, a comida que falta a mesa, os móveis que água levou, o retorno de um filho perdido. “Curai os enfermos que nela houver e anunciai-lhes: A vós outros está próximo o reino de Deus”(9). O pai da jovem de quatorze anos, única sobrevivente do acidente com um avião de bandeira do Iêmen, é um exemplo recente de alguém que se depara com um milagre. Depois de ver imagens de destroços flutuando, corpos espalhados pelo mar, era claro que sua filha estava morta. Mas, do meio do caos, como um sonho, veio a notícia que ela estava viva, foi encontrada enfraquecida entre os escombros flutuando. Um milagre, uma excelente notícia. O reino de Deus está próximo. Que mensagem linda e alentadora!
Hoje precisamos nos lembrar e anunciar que Deus está próximo, que ele se importa, que ele tem poder, que ele faz milagres. Há esperança. Esta é a nossa missão como crentes: ir às pessoas, aonde elas estão, participando de suas realidades, anunciando que o Senhor está próximo. Experimentar e anunciar o poder de Deus que transforma, restaura a alma do aflito, cura o corpo, surpreende o que sonha. O mundo clama por estes mensageiros, hoje há milhares de almas que aguardam os filhos de Deus com boas notícias, acompanhadas de poder. Precursores da luz, aquele que chega anunciando o que vem, e quando ele entrar a casa nunca mais será a mesma.

Rev. Sérgio Horta
Boletim 651 da Igreja Presbiteriana de Manaus - AM
de 12 de julho de 2009