quarta-feira, 28 de outubro de 2009

A DOUTRINA DA JUSTIFICAÇÃO

“Na verdade sei que assim é; porque como se justificaria o homem para com Deus?” (Jó 9:2); “Justificados, pois, pela fé temos a paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5:1). A doutrina da justificação é uma das mais importantes dentro do sistema doutrinário reformado.
No dia 10 de julho de 2009 comemoramos os 500 anos do nascimento de João Calvino, reformador mais influente para a formação do Presbiterianismo e do sistema doutrinário reformado. E, ainda que João Calvino tivesse convicções praticamente idênticas às de Martinho Lutero, o reformador alemão brigou muito mais por causa delas. Ainda que eu discorde, alguns teólogos colocam a doutrina da justificação pela fé como a causa maior da Reforma Protestante do século dezesseis.
Mas o que é essa tal justificação? Quando apresentamos uma justificativa para a nossa falta, dizemos que estamos justificados, certo? A compreensão teológica e espiritual da doutrina da Justificação é praticamente a mesma. Justificação é o “ato livre da graça de Deus pelo qual Ele perdoa aos nossos pecados e nos aceita como justos aos Seus olhos“ (BERKHOF, p. 473), mediante a justiça de Cristo.
Isso quer dizer que Jesus cumpriu cabal, eterna e eficazmente todas as exigências da Lei de Deus (ou do pacto das obras) e aplicou esse cumprimento àqueles a quem Deus concedeu fé. Isso posto, o apóstolo Paulo afirma que nós, justificados, temos paz com Deus por intermédio de Jesus Cristo. Mas por que Paulo afirma que temos paz com Deus?
O redimido é justificado gratuitamente pela fé que recebe de Deus.
Temos paz com Deus porque o homem que crê, crê por que Deus lhe concedeu esse dom. Jó pergunta: “Como pode o homem ser achado justo para com Deus?”. Como pode aquele que é absolutamente inferior a Deus ser encontrado justo diante dAquele que possui toda a justiça? Como pode aquele que está totalmente depravado, corrompido pelo pecado ser encontrado justo diante de um Deus Santo e Irrepreensível em bondade.
A pergunta de Jó é a resposta! O homem não pode, por seus atos ou vontade, ser achado justo diante de Deus. Por isso, podemos afirmar que temos paz com Deus porque o redimido recebe gratuitamente de Deus a fé que o habilita a crer no sacrifício justificador de Cristo.
O redimido descansa unicamente em Cristo para a salvação.
Jó fala que nada do que o homem faça pode contar para a sua justificação. Por isso, dependemos única e eficazmente do sacrifício e ressurreição de Cristo para nossa salvação. E graças a Deus por isso! Sabe por quê? Porque se dependêssemos de nós, nem que fosse em 1% para nos justificarmos, estaríamos perdidos. Mas nós descansamos em Cristo e dependemos apenas dEle para sermos encontrados como justos diante de Deus.
Nós somos falhos e, por isso, inábeis para nos justificarmos diante do Pai. Mas nós dependemos dAquele que é perfeito e que, através da sua vida, morte e ressurreição, justifica o ímpio. Jesus assumiu a nossa imperfeição na cruz para que pudéssemos assumir sua perfeição diante de Deus. Por isso, temos paz com Deus por descansarmos unicamente em Cristo para a salvação.

O redimido desfruta de todas as bênçãos adquiridas na justificação.
A primeira benção é que agora, por causa da justiça perfeita de Cristo, somos recebidos como filhos de Deus e podemos desfrutar de todas as bênçãos que Cristo conquistou por nós. Isso nos garante, agora, como justificados, a vida eterna junto do Pai. Uma vida eterna que não passa a existir apenas a partir do momento em que morremos. Mas uma vida eterna que é desfrutada aqui e a partir daqui. Vida maravilhosa e cheia no tempo presente. Uma vida em abundância em que podemos desfrutar da plenitude da existência em Cristo.
Mas não devemos nos enganar: Ninguém entrará no céu em pecado. Por isso, Jesus removeu a culpa do pecado daquele que crê. O homem não pode ser apresentado diante de Deus na vida eterna com a marca do pecado em sua vida. Então, Deus enxerga aquele que crê através da justiça de Cristo. Por isso, podemos afirmar que temos paz eterna com Deus, porque podemos desfrutar das bênçãos que Jesus adquiriu e nos legou.
Rev. Thiago Mattos de Lara
Igreja Presbiteriana do Tarumã
Curitiba - PR

Nenhum comentário: