quarta-feira, 5 de maio de 2010

MENTALIDADE ESPIRITUAL

“A mentalidade do Espírito é vida e paz” (Romanos 8:6, NVI).

O sentimento de paz que o apóstolo Paulo diz que é fruto da mentalidade espiritual depende da medida em que a nossa mente está cheia de pensamentos espirituais. Dos incrédulos, Deus disse: “toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gênesis 6:5). Os pecados que se vêem abertamente no mundo não nos dizem quão mau o mundo é. A real medida do mal do mundo é a multiplicidade de maus pensamentos nas mentes dos incrédulos. Não pode haver maior prova da mentalidade espiritual do que uma completa mudança na torrente contínua dos nossos pensamentos.
Abandonar certos pecados particulares não é suficiente; uma pessoa pode ser curada de uma doença e, contudo, ainda morrer de outra. É preciso que haja uma completa restauração da saúde. Quando tivermos mentalidade espiritual, estaremos cheios de pensamentos espirituais. Leiam o Salmo 119 e meditem nele. Vejam como Davi expressa seu constante prazer na lei de Deus. Nós podemos falar como ele?
A Bíblia foi escrita, não só para mostrar como eram os santos daquele tempo, e sim também como eles devem ser agora. Qual a proporção de todos os nossos pensamentos é sobre coisas espirituais? Nós dizemos que o nosso principal interesse é pelas coisas espirituais, celestiais e eternas. Acaso não deveriam nossos pensamentos refletir essa prioridade, sendo eles principalmente espirituais?
Pense por um momento nas prioridades dos incrédulos. Suas atividades diárias ocupam todos os seus pensamentos. Estão ocupados com os quefazeres diários, com os seus filhos e com a prosperidade futura. Que é que você pensaria de uma pessoa que diz que vai viajar de mudança para outro país, onde ele tem uma herança eterna e, contudo, cuja conversa só gira e torno de coisas insignificantes que terá que deixar para trás quando partir? As coisas desta vida não devem ocupar os nossos pensamentos tão plenamente como as coisas espirituais. Pense!
Rev. José Rodrigues
Igreja Presbiteriana do Brasil

Nenhum comentário: