sábado, 12 de junho de 2010

OS SOFRIMENTOS DE CRISTO E A VÍRGULA DO CREDO

Reduzimos muito o valor da redenção. Diminuímos o tamanho do símbolo profundo da salvação e o relegamos ao futuro distante. A literatura hebraica é muito mais tangível. Uma das palavras que significa salvação (yeshuwah, relacionada ao nome Jesus) deriva de uma raiz que acentua a amplidão e a abertura. A libertação de Deus dá-nos muito espaço – espaço para respirar, libertação das angústias que nos apertam e das limitações que nos confinam. De mais a mais, Deus faz isso por nós continuamente, não apenas promete fazer em um futuro distante. Será que reconhecemos Seu esforço bondoso quando nos resgata e nos liberta das várias escravidões de nossa vida?
Essa libertação acontece através do sangue, que é outro símbolo profundo que poderíamos explorar durante muito tempo. Certamente, o sangue de Cristo é um símbolo que representa todo Seu sacrifício em nosso favor, não apenas Sua rendição final na morte na cruz, mas os sacrifícios que fez durante toda Sua vida na Terra. Tendo colocado uma vírgula em lugar errado no Credo Apostólico, acabamos reduzindo as dores que Cristo sofreu por nós em apenas uma (embora seja a maior delas). Dizemos:

Nasceu da virgem Maria,
padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos
foi crucificado, morto e sepultado.

Mas deveríamos dizer:

Nasceu das virgem Maria,
padeceu,
sob o poder de Pôncio Pilatos foi crucificado,
morto e sepultado.

Reparou a enorme diferença que a troca da vírgula fez? Jesus não sofreu apenas sob o poder de Pôncio Pilatos. Sofreu desde o início, até mesmo no útero de Sua mãe, quando pesava sobre Sua vida a ameaça da marginalização e da pobreza, se José levasse adiante a idéia de “deixá-la secretamente”. Jesus sofreu logo ao nascer e ser colocado em uma manjedoura. Em um contraste tremendo com nossas cenas de Natal caseiras, onde tudo é romantizado e representado como “arrumadinho”, o estábulo, sem dúvida, era mal-cheiroso, mal-acabado e cheio de estrume. Em resumo: era um lugar deplorável. Ele sofreu com as multidões empurrando, os romanos oprimindo, os discípulos insuportáveis e sua incapacidade fenomenal de fazer o que era certo. E Ele sofre com você! Por esse motivo, lembremos, quando afirmamos que somos libertos através do sangue, de que Deus está sempre sofrendo para libertar-nos.

Revª. Marva Dawn
Pastora luterana canadense
Co-autora de “O Pastor Desnecessário”

Um comentário:

antonio carlos disse...

Parabens pelo seu blog e continue firme porque Deus tem um plano especial para sua vida. Deus é Deus mesmo quando as circunstancias sao contrarias ao que queremos ou pensamos.
ac