segunda-feira, 18 de outubro de 2010

"Dedique-se à leitura" (1 Timóteo 4:13, NVI)

Uma das lembranças mais agradáveis que tenho da minha infância é que aprendi a ler muito cedo. E mais do isso, muito cedo também desenvolvi uma paixão genuína pelo hábito da leitura. Creio que há uma diferença crassa entre aprender a ler e gostar de ler. Felizmente, todos podem aprender a ler; infelizmente, nem todos que sabem, gostam de ler. “A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas, por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede”, foi o que declarou, acertadamente, Carlos Drummond de Andrade. Ainda o gaúcho Mário Quintana diria: “Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem”.

Não sei explicar como nem porque, mas nasci assim. Enquanto os outros moleques da rua se divertiam em partidas de futebol e com carrinhos de rolimã, eu mergulhava fundo nas aventuras de Emília, Visconde, Pedrinho, Narizinho, Xisto, Sherlock Holmes, Miss Marple, Inspetor Poirot...

Alguns podem não acreditar, mas digo a verdade quando afirmo que passei muitas das minhas férias de inverno na ala de literatura infanto-juvenil da biblioteca pública de minha cidade natal. Também as carteirinhas de empréstimo de livros se esgotavam rapidamente. Mas eu confesso, numa época em que as histórias em quadrinhos eram consideradas uma forma menor – e até prejudicial! – de literatura, eu li muito gibi também!

Talvez seja por isso também que eu tenha preferido utilizar a Internet, através dos meus perfis nas redes sociais – Orkut e Facebook – para estimular em meus amigos o mesmo gosto. Peço desculpas, mas penso que poderíamos aproveitar melhor estes veículos, cooperando no desejável processo de enlevo moral, intelectual e espiritual de nossos contatos, ao invés de publicarmos frivolidades.

Neste ano de 2010, devido a uma situação incomum, fui brindado por Deus com oportunidades valiosas de conhecer e ler bons livros. Através desses livros o próprio Deus falou comigo, ministrou ao meu coração, me pastoreou e supriu necessidades emocionais e espirituais. Nós nunca mais somos os mesmos após a leitura de um bom livro: Somos mudados, transformados, aperfeiçoados. Como declarou o escritor norte-americano Henry Thoreau (1817-1862): “Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro”.

Alguns deles eu tenho sugerido e recomendado aos amigos do Facebook e Orkut. Como já observou alguém, em épocas passadas: “O verdadeiro gentleman compra sempre três exemplares de cada livro: um para ler, outro para guardar na estante e o último para dar de presente”.

As palavras a seguir foram escritas por Edwin Louis Cole (1922-2002), fundador do Christian’s Men Network (CMN), no livro “Marido Irresistível”, publicado no Brasil pela Universidade da Família. Vale a pena conhecer os livros e os cursos oferecidos pela UDF. De todo o coração, desejo que este breve trecho sirva para estimular você a ler mais e melhor. Obrigado, um abraço, fique na paz! – Rev. Oslei do Nascimento.

“‘Aplica-te à leitura’ (1 Timóteo 4:13) é uma prescrição dada a todos os homens. A perda do amor pela leitura, pelo hábito de ler, pela atividade da leitura, significa um avanço no reino da ignorância. O homem comum interrompe o hábito de estudar e ler após seu período escolar. O homem incomum desliga a televisão para continuar a ler e estudar por toda a vida. A prática de ler desenvolve o poder de concentração, encoraja o pensamento criativo, amplia a compreensão, aumenta a agudeza da mente e o prazer pela vida. Ler é uma forma de arte, e cada homem pode ser um artista. Muitos homens têm me dito, “Mas eu não leio muito bem”. Isto não é surpresa! Se você não ler, você nunca lerá “bem”. A única maneira de você ler “bem” é lendo! Isso é tão simples que não damos importância. Televisão, CDs, arquivos de áudio que podem ser acessados pela internet, tudo isso são maravilhas tecnológicas, mas deixam de sê-lo, se prejudicarem a habilidade da leitura” – Edwin Louis Cole (1922-2002), em Marido Irresistível, publicado no Brasil pela Universidade da Família (www.udf.org.br).

Nenhum comentário: